Jordana Machado

Quero não que cochichem quando eu passo
me livra disso

que se aprumem assim com as mãos para trás
as mãos nas costas
o coração nos pés de medo
a boca murmurando xingos
e os olhos que sorriem de mentira

as mãos escondidas
ainda agora nos bolsos
fazendo figas contra mim
sobressaltos quando apareço
desejos de graças a deus quando sumo

mas meu olhar sempre procurando a quem castigar
digo ser para o bem
meu jeito é o bom

--

--

feito em base de ternura,
algo que deixa a gente sentimental em meu caso agrava-se,
faz essas coisas de maravilhar o coração
dobro a ponta da página, marcando o que amo
obrigado pelo carinho de um segredo

permitir que o desejo dê uma volta no quarteirão,
quem sabe pelo bairro, não mais que isso

estamos conversando sobre alegria e tristeza,
assunto que aprendemos em conjunto, nunca só

falando coisas em vésperas de feriados
hoje aceito convites para mais tarde,
convites para tardes,
convites para tarde demais

tomando sol na varanda passo bem,
uma comoção,
não chorei, estava muito cedo para chorar

li antes de dormir
e hoje pela manhã, feito oração,
coisa que mata e eu não ligo: uma pessoa sensível é assim
que imagens bonitas você tem
mimar em poemas

[Cronista arriscando um poeminha. Perdoem]

--

--